Lesões nos Esportes Escolares






Uma reflexão para pais e educadores

Um dos objetivos da educação física é motivar a criança a praticar esporte durante a vida toda. Além disso, visa apresentar diversas modalidades esportivas, ensinar as suas regras e técnica dos movimentos básicos.


VOCÊ SABIA?

Cerca de 50% das lesões que ocorrem em crianças na escola, ocorrem durante a aula de educação física.

Estatísticas também revelam que cerca de 5% de todos os alunos matriculados nas redes de ensino se lesionam por ano durante a educação física.

Lesões podem trazer além das consequências físicas para o jovem, o seu afastamento das aulas durante o tratamento e a preocupação dos pais com relação a possíveis sequelas.

É importante conhecer e estudar as causas dos acidentes, o tipo de esporte praticado e a localização da lesão, pois muitas lesões em crianças podem ser prevenidas.

MODALIDADES ESPORTIVAS




A maioria das lesões ocorre em esportes populares. Futebol em primeiro lugar seguido de perto pelo Basquete. Vôlei e Handebol em terceiro e quarto lugares, respectivamente.

CAUSAS DAS LESÕES


A maioria das lesões ocorre durante movimentos básicos, comuns a muitas modalidades. Normalmente ocorrem quando as crianças estão correndo, saltando ou agarrando bola.

Os esportes com bola são os responsáveis pela maioria das lesões, pois são esportes coletivos de contato. Também porque exigem do praticante uma complexidade dos movimentos para as competições (coordenação motora, flexibilidade e força). Esportes individuais têm menor índice de lesões.

FAIXA ETÁRIA

A faixa etária com mais incidência é a adolescência, com idade média de 13 anos.

LOCALIZAÇÃO DAS LESÕES


Membros superiores são os locais mais comuns, principalmente os ossos das mãos e dos dedos. Punho e cotovelo também merecem consideração.

Membros inferiores vêm em segundo lugar, sendo os tornozelos as articulações mais comprometidas.

Em terceiro lugar temos os traumatismos cranianos decorrentes de quedas ou colisões entre os jovens.

TIPOS DE LESÕES

O principal motivo de atendimento médico é Entorse (lesão ligamentar aguda, onde a articulação fica inchada, roxa e dolorosa), sendo os tornozelos a principal articulação acometida. Dedos das mãos também são frequentemente acometidos.

Em segundo lugar vêm as Contusões, ou seja, lesões decorrentes de trauma na articulação ou membro, sem provocar danos aos ossos.

Fraturas, principalmente dos dedos das mãos, vem em terceiro lugar.

HOSPITALIZAÇÃO


A maioria das lesões não necessita internação hospitalar. As principais causas de internação são fraturas que necessitam de tratamento cirúrgico ou nos traumatismos cranianos, onde o sistema nervoso central precisa ser monitorado.

QUANDO OCORRE A LESÃO?

Estudos revelam que a maioria das lesões ocorrem no meio ou ao final da aula de educação física, devido a redução na concentração e motivação para realizar os movimentos adequados, bem como fadiga e redução de coordenação motora da criança.

PREVENÇÃO

A maioria das lesões ocorrem em condições de competição, em esportes coletivos com bola, por exemplo. Nesta situação é exigido da criança movimentos complexos como habilidade em controlar a bola, proteção contra adversários, drible, força e flexibilidade.

É preciso ter certeza que o jovem possui estas características antes de submetê-lo à situação de risco representada pela competição.

Estudos concluem que mais da metade das lesões em esportes coletivos ocorrem por erros de técnica nos movimentos básicos da modalidade.

Portanto, é importante ressaltar que o treino técnico das modalidades é fundamental e deve ser executado com o máximo empenho, visando condicionar o jovem a realizar os movimentos adequadamente para usá-los em condições de competição.



É importante condicionar o jovem a ter precisão na execução do movimento. Capacitar profissionais para treinar o jovem adequadamente também é fundamental.

Outro ponto importante sugerido pelos estudiosos no assunto é que sejam feitas adaptações no número de participantes nas modalidades esportivas. A diminuição do número de participantes nos jogos tem um efeito em aumentar os espaços na quadra, diminuindo assim, o contato entre os participantes protegendo-os contra lesões. Com a evolução do treinamento e aquisição das habilidades necessárias, o número de participantes passa a ser o normal da modalidade.

Cabe também ao profissional de educação física perceber as habilidades motoras de cada jovem e tentar reuni-los em grupos homogêneos no momento das competições, impedindo que jovens com aptidões motoras muito diferentes participem do mesmo evento competitivo com jovens mais maduros do ponto de vista do desenvolvimento motor.

Nunca é demais enfatizar a importância do uso dos equipamentos de proteção de cada modalidade na prevenção de lesões.

Cabe à instituição de ensino e todos os profissionais que lidam com o jovem preocuparem-se com a integridade física de seus alunos.






Dr. Maurício Rangel é formado em Medicina pela Faculdade Souza Marques (1994) e médico Ortopedista Pediátrico. Trabalha atualmente em consultórios com atendimento ambulatorial e cirurgias ortopédicas pediátricas eletivas. Especialista em diversas patologias musculoesqueléticas em crianças e adolescentes e cirurgias relacionadas.

Consultório: Barra Life

Av. Armando Lombardi, 1000 – sala 231, bloco 2, Barra da Tijuca | Rio de Janeiro

Telefone para contato: 3264-2232/ 3264-2239



0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo