JUNTE-SE

Seu conhecimento é muito grande para ficar apenas no consultório. Venha fazer parte da nossa rede de especialistas. 

FIQUE POR DENTRO

Criança e Saúde é um site colaborativo que possui a missão de ajudar pessoas a encontrarem informação sobre a saúde dos seus filhos. As informações publicadas neste site têm caráter meramente informativo e não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos e outros especialistas. Todos os direitos reservados ao Criança e Saúde. Proibido a reprodução do conteúdo deste site sem prévia autorização. A Redação do Criança e Saúde não se responsabiliza por conceitos emitidos em artigos assinados ou por qualquer conteúdo publicitário e comercial, sendo este último de inteira responsabilidade dos anunciantes.

© 2023 Criança e Saúde Todos os direitos reservados.

As crianças que pisam com os pés para fora ou para dentro: Conhecendo as causas

Atualizado: 8 de Fev de 2019




A maioria das crianças caminham com os pés para a frente. Existem variações da normalidade em que algumas crianças caminham com os pés virados para fora ou virados para dentro, configurando o que chamamos de deformidade rotacional do membro inferior.


Qualquer anormalidade na pisada da criança durante a marcha é um motivo frequente de preocupação dos familiares, necessitando de avaliação médica para esclarecimento dos motivos e da história natural.


As deformidades rotacionais dos membros inferiores:


Importante saber que, nem sempre os pés são os reponsáveis pela deformidade vista na marcha.


O responsável pela deformidade pode estar localizado em qualquer segmento do membro inferior, ou seja, pode estar na coxa, perna, pé ou em mais de um lugar ao mesmo tempo.


O exame físico do membro inferior todo da criança, realizado na consulta é o suficiente, na maioria dos casos, para definir o exato local do problema e fazer o prognóstico.


A anatomia do membro inferior:


Chamamos de femur o osso da coxa, enquanto que tíbia e fibula são os ossos da perna, abaixo do joelho.


A marcha com o pé virado para dentro:



O principal responsável por esse padrão de marcha é a perna, ou seja, existe uma deformidade rotacional interna fisiológica da tíbia. O pé, na maioria das vezes não apresenta anormalidade e o fêmur (osso da coxa), também não.


É muito comum no início da marcha da criança e representa a persistência da da postura dos membros inferiores enquanto na vida intra-uterina. O prognóstico para a correção progressiva vai depender do idade da criança e do grau da deformidade.


A torção interna femoral: É outra possibilidade para a marcha com os pés para dentro. O fêmur é o osso da coxa que se articula com a bacia, formando a articulação do quadril. Esta articulação realiza movimentos rotacionais interno e externo que devem ser equilibrados para garantir a marcha com os pés para a frente.


Nas crianças, na fase do início da marcha, há uma deformidade em torção interna do fêmur fisiológica, fazendo com que a rotação interna do quadril predomine e, com isso, a criança caminha com os pés para dentro. Essa deformidade femoral também é originada da postura intra-uterina da criança. As crianças que apresentam essa deformidade costumam ter o hábito de sentar sobre os pés, em uma posição semelhante a letra “W”, quando vistos por cima.



O tratamento vai depender da idade da criança, do grau de deformidade e do prejuízo motor que está causando.


A frente do pé para dentro:


Conhecido como pé metatarsovaro. Caracteriza-se pela deformidade da borda lateral do pé. Normalmente, ao olharmos o pé pela face plantar, vemos que a borda lateral deve ser uma linha reta.


Quando a frente do pé está para dentro, a borda lateral deixa de ser uma reta e passa a ser semelhante a letra “C”, ou seja, a borda lateral fica convexa.Esta deformidade também pode ser a responsável pela marcha com os pés para dentro, sendo muito comum em crianças que tiveram correção parcial de pé torto congênito e que necessitam de tratamento complementar para a correção definitiva do pé.A conduta médica neste tipo de deformidade vai depender da flexibilidade ou rigidez do pé, bem como da idade da criança e da repercussão negativa que está provocando no desempenho motor.


A marcha com os pés virados para fora:


O principal responsável por essa deformidade é o fêmur (osso da coxa), ou seja, há uma torção externa femoral. Como citado anteriormente, para que a criança possa caminhar com o pé para frente é preciso que as rotações interna e externa do quadril estejam equilibradas.


Na marcha com o pé para fora, há um predomínio da rotação externa femoral devido a deformidade em torção externa deste osso. É comum em crianças com sobrepeso ou obesidade. Quando a deformidade é simétrica e leve, geralmente não prejudica o desempenho motor. A simetria e piora progressiva, podem ser sinal de patologia do quadril no adolescente sendo o diagnóstico precoce muito importante para o tratamento.


O pé plano:


A ausência do arco medial plantar faz com que a frente do pé seja desviada para fora quando a criança pisa. Neste caso, a borda lateral do pé, que deveria ser uma reta, como citado anteriormente, passa a ser côncava. O tratamento vai depender da idade da criança, da presença de dor, rigidez do pé, calosidades plantares e da capacidade de utilização de calçados adequadamente.


Torção externa tibial:


É uma das causas para marcha com os pé para fora.O diagnóstico é feito com exame clínico da criança em que, ao posicionarmos as patelas para frente, observamos desvio acentuado e anômalo do pé, posicionado para fora.Pode estar associado ao pé plano e também é bastante frequente em crianças com patologias neuromusculares como mielomeningocele e paralisia cerebral.


Conclusões:


Desvios rotacionais dos membros inferiores são bastante comuns em crianças e adolescentes. O mais importante para determinar o tratamento não é o aspecto da marcha e sim os prejuízos funcionais que esses desvios estão causando. A simetria entre os membros deve ser observada e o grau da deformidade medido. Em crianças com patologias neuromusculares (paralisia cerebral ou mielomeningocele), frequentemente, esses desvios rotacionais necessitarão de correção cirúrgica para a melhora no desempenho motor.


A partir de agora, você pode proteger a sua família e apoiar a nossa comunidade. Saiba como aqui.


Um abraço a todos,

Dr. Mauricio Rangel

Tel. (21) 3264-2232/ (21) 3264-2239


Caso tenha interesse, você pode se inscrever gratuitamente na nossa lista e ser notificado sobre as próximas publicações da categoria Paralisia Cerebral. Para isso, basta clicar no botão abaixo e deixar seu e-mail.




43 visualizações