A criança hipotônica: a rotina diagnóstica e tratamento.


Uma criança é considerada hipotônica quando apresenta diminuição do tônus muscular e fraqueza nos músculos envolvidos.

São diversas as causas para a hipotonia e as doenças neuromusculares devem ser sempre pensadas na rotina de investigação diagnóstica.

A causa pode estar localizada nos músculos propriamente ditos (distrofias musculares), nos nervos periféricos (neuropatias periféricas) ou na medula espinhal (atrofia espinhal)

O quadro clínico inicial pode ser semelhante, independente da causa e caracteriza-se por atraso na aquisição das habilidades motoras da criança durante o desenvolvimento.

Acomete crianças sem nenhuma característica clínica específica para diagnóstico de síndromes.

São crianças que não rolam, não sustentam a cabeça, não sentam de forma independente e quando colocadas sentadas, não sustentam o tronco e caem para os lados.

Algumas conseguem ficar em posição de pé independente mas caminham apenas pequenas distâncias, sempre apoiadas pelas mãos dos cuidadores.




A atrofia muscular espinhal:




Trata-se de uma patologia hereditária, com padrão de herança autossômica recessiva, que caracteriza-se por uma degeneração das células motoras da medula espinhal.

Não há predileção por sexo, podendo acometer meninos ou meninas.

A história clínica é de uma criança com atraso no desenvolvimento motor, muitas vezes com nascimento sem intercorrências.

A investigação para o diagnóstico definitivo deve ser conduzida pelo neurologista pediátrico, que avalia o padrão de fraqueza da criança através do exame físico, a história familiar e de nascimento da criança.

No que diz respeito aos exames complementares para elucidar a hipotonia existem: dosagem enzimática muscular, biópsia muscular e, em casos selecionados, a eletroneuromiografia.

O prognóstico é definido de acordo com a velocidade de progressão da fraqueza muscular.

As formas de apresentação:


Existem 3 formas de apresentação:

– Aguda infantil: fraqueza generalizada nos primeiros meses de vida associado à insuficiência respiratória.

– Crônica infantil: manifesta-se durante o primeiro ano de vida sendo que, a fraqueza muscular tem progressão inicial e depois permanece estática e sem progredir durante longos períodos

– Crônica juvenil: apresenta-se tardiamente com fraqueza gradual e progressão lenta.

O tratamento ortopédico:



Importante ressaltar que, na dependência do envolvimento muscular, existirão crianças com atrofia espinhal, que terão capacidade de caminhar e aquelas que não terão esta capacidade e portanto serão cadeirantes.

A patologia evolui com deformidades articulares devido ao desequilíbrio dos músculos ao redor das articulações.

Quadris, joelhos, pés e coluna vertebral precisam ser monitorados com exame físico periódico e tratados.

Inicialmente, o tratamento fisioterápico é recomendado visando estímulo motor global, manutenção da mobilidade articular e a prevenção de deformidades.

Órteses são recomendadas para o controle de posições viciosas articulares precocemente nas crianças que não caminham ou, mais tardiamente, naquelas submetidas à cirurgia ortopédica para preservar a capacidade de caminhar.

Cirurgias ortopédicas visam a correção de contraturas articulares em quadris, joelhos e pés que estejam prejudicando a marcha naquelas que mantém esta habilidade motora.

A escoliose neuromuscular deve ser corrigida com artrodese vertebral nas crianças cadeirantes, pois a deformidade acentuada prejudica a postura sentada adequada e leva a obliquidade pélvica.




Um abraço a todos!


Dr. Maurício Rangel é formado em Medicina pela Faculdade Souza Marques (1994) e médico Ortopedista Pediátrico. Trabalha atualmente em consultórios com atendimento ambulatorial e cirurgias ortopédicas pediátricas eletivas. Especialista em diversas patologias musculoesqueléticas em crianças e adolescentes e cirurgias relacionadas.

Consultório: Barra Life

Av. Armando Lombardi, 1000 – sala 231, bloco 2, Barra da Tijuca | Rio de Janeiro

Telefone para contato: 3264-2232/ 3264-2239




Criança e Saúde

Criança e Saúde é um site colaborativo que possui a missão de ajudar pessoas a encontrarem informação sobre a saúde dos seus filhos. As informações publicadas neste site têm caráter meramente informativo e não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos e outros especialistas. Todos os direitos reservados ao Criança e Saúde. Proibido a reprodução do conteúdo deste site sem prévia autorização. A Redação do Criança e Saúde não se responsabiliza por conceitos emitidos em artigos assinados ou por qualquer conteúdo publicitário e comercial, sendo este último de inteira responsabilidade dos anunciantes.



contato@criancaesaude.com





Posts recentes

Ver tudo