Cuidados Ortopédicos na Síndrome de Down





Do ponto de vista ortopédico, crianças com Síndrome de Down apresentam maior flexibilidade articular devido à grande elasticidade ligamentar. Além disso, apresentam atraso no desenvolvimento das aptidões motoras.

Logo após o nascimento, devem passar por avaliação pediátrica, ortopédica e cardiológica para afastar patologias congênitas.

O que o ortopedista precisa examinar?

O exame físico geral envolve:

– Análise da mobilidade e estabilidade articular (principalmente quadris / joelhos / tornozelos e pés, pois suportam o peso corporal na marcha);

– Pesquisa de contraturas que coloquem as articulações em posturas viciosas anômalas.

Obs: Atenção especial deve ser dada aos quadris, pois há risco de displasia do desenvolvimento, ou seja, situação onde os quadris são instáveis (saem e voltam à posição normal), ou são luxados (permanecem fora da posição irredutíveis).

– Comprimento dos membros inferiores;

– Arco de movimento dos joelhos e estabilidade da articulação da patela (antiga rótula), pois são de risco de instabilidade e má formação;

– Análise da coluna vertebral;

– Avaliação completa dos membros superiores.

Qual a história natural do ponto de vista motor?

Uma conversa franca com os pais é fundamental. As crianças precisam de estímulo motor fisioterápico precoce, com objetivo de aquisição de aptidões motoras. É importante que a criança inicie a terapia motora só após da avaliação ortopédica completa. O início da marcha na maioria das vezes atrasa, porém conseguirão marcha independente. Cada criança tem seu tempo. A Fisioterapia é fundamental nesse quesito.

O formato dos pés no início da marcha será plano (sem a curvinha medial), o que dará um aspecto de que estão pisando torto. Embora cause preocupação, na maioria das vezes, não atrapalha o desempenho motor, geralmente não precisam de palmilhas e devem ser protegidos com tênis confortável quando já tiverem iniciando os passos com ou sem auxilio.

Quedas frequentes são comuns, porém não têm nenhuma relação com os pés planos. Ocorrem simplesmente por imaturidade do sistema nervoso central em permitir coordenação motora.

E a coluna cervical? Há risco para prática esportiva?

Sim, há risco. É fundamental, após o início da marcha independente e, principalmente antes de iniciar prática esportiva de contato, uma avaliação do pescoço.

Por quê?

Instabilidade atlantoaxial, entre a primeira e a segunda vértebra cervical, além da entre o crânio e a primeira vértebra cervical.

A coluna cervical protege a medula espinhal, quando há instabilidade e a criança é submetida a esportes que predispõe a trauma no pescoço, isso pode levar à lesão medular e suas consequências quanto à paralisia motora.

Como é feito?

Exame físico, análise da marcha, mobilidade do pescoço, presença de dor ou torcicolo de repetição. Em relação às imagens, o fundamental é o Raio-X dinâmico em perfil com flexão e extensão, onde serão feitos medições do intervalo entre a primeira e segunda vértebras cervicais. Com esses dados podemos, com segurança, recomendar a prática esportiva ou contra-indicar esportes de contato até o tratamento da instabilidade ser concluído.

Qual a periodicidade das avaliações ortopédicas?

A recomendação é anual, podendo ser antecipada se surgirem queixas antes disso.

Surgimento de claudicação (mancar) – sem causa aparente, diminuição das distâncias caminhadas, acompanhada ou não de dor, devem ser motivo de preocupação e revisão ortopédica.

Quadris, joelhos e pés devem ser monitorados com exame físico e de imagem, se necessário.

A coluna vertebral apresenta risco de desenvolvimento de escoliose, principalmente na fase de crescimento rápido da adolescência e, portanto, também deve ser acompanhado.

Com esse protocolo podemos manter a saúde das nossas crianças especiais com Síndrome de Down.

Caso tenha interesse, você pode se inscrever na nossa lista e ser notificado sobre as próximas publicações da categoria Síndrome de Down. Para isso, basta deixar seu e-mail no campo abaixo:

Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.




Dr. Maurício Rangel é formado em Medicina pela Faculdade Souza Marques (1994) e médico Ortopedista Pediátrico. Trabalha atualmente em consultórios com atendimento ambulatorial e cirurgias ortopédicas pediátricas eletivas. Especialista em diversas patologias musculoesqueléticas em crianças e adolescentes e cirurgias relacionadas.

Consultório: Barra Life

Av. Armando Lombardi, 1000 – sala 231, bloco 2, Barra da Tijuca | Rio de Janeiro

Telefone para contato: 3264-2232/ 3264-2239



Posts recentes

Ver tudo