JUNTE-SE

Seu conhecimento é muito grande para ficar apenas no consultório. Venha fazer parte da nossa rede de especialistas. 

FIQUE POR DENTRO

Criança e Saúde é um site colaborativo que possui a missão de ajudar pessoas a encontrarem informação sobre a saúde dos seus filhos. As informações publicadas neste site têm caráter meramente informativo e não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos e outros especialistas. Todos os direitos reservados ao Criança e Saúde. Proibido a reprodução do conteúdo deste site sem prévia autorização. A Redação do Criança e Saúde não se responsabiliza por conceitos emitidos em artigos assinados ou por qualquer conteúdo publicitário e comercial, sendo este último de inteira responsabilidade dos anunciantes.

© 2023 Criança e Saúde Todos os direitos reservados.

Desigualdade no comprimento das pernas: O que fazer?


O encurtamento de uma das pernas pode ser óbvio e grosseiro ao nascimento, quando estamos diante de malformação congênita, ou sutil, visto mais tardiamente após o inicio da marcha.


Quando a causa é congênita geralmente há outras alterações associadas, como:


– Ausência de alguns dedos do pé;

– Deformidade no joelho (não estica adequadamente);

– Deformidade no quadril (dificuldade para fechar a perna);

– Alteração na circunferência do membro inferior, porque além dos ossos malformados há o envolvimento de toda a musculatura.

Neste grupo o tratamento é longo com várias etapas e objetivos visando, não só igualar o tamanho dos membros inferiores, como também corrigir as deformidades articulares, permitindo marcha e desenvolvimento adequados.

Existem fatores que colocam em risco o crescimento dos membros inferiores, dando origem aos encurtamentos adquiridos:

– Infecções articulares em recém-nascidos, que frequentemente comprometem as regiões onde o osso cresce;

– Fraturas que incluem as regiões de crescimento, lesando-as;

– Lesões tumorais benignas próximas das regiões de crescimento.


O encurtamento surge mais tardiamente, frequentemente acompanhado de deformidade progressiva (a perna vai ficando torta), o que prejudica muito a marcha da criança. Quanto menor for a idade da criança, pior será o prognóstico das lesões nas regiões de crescimento dos ossos.


Importante ressaltar que nem todo o encurtamento visto pela família é real. Existe o que chamamos de encurtamento aparente, ou seja, ocorre devido a patologias que deformam as articulações  e que se manifestam com a falsa impressão de que uma perna é menor do que a outra. Só o médico é capaz de diferenciar o encurtamento real do aparente. O exame físico criterioso é fundamental. No encurtamento aparente, o tratamento é direcionado para a patologia causadora.


Uma vez definido que o encurtamento é real, devemos saber a idade da criança, diferença atual, onde está o problema (na coxa, na perna, nos dois) e se existe ou não deformidade na perna associada ( “perna curta e torta” ). Com esses dados podemos fazer a projeção da diferença ao término do crescimento – qual seria a diferença de comprimento se não fizéssemos nada, na idade adulta.


Existem várias formas de medição do comprimento das pernas. Métodos clínicos, como: fita métrica, teste do conforto – pedimos para a criança pisar com a perna curta, sobre blocos de madeira de altura conhecida, até sentir que as pernas ficam do mesmo tamanho. Métodos de imagem, como: radiografia panorâmica, escanometria.


PLANEJANDO O TRATAMENTO


Quando e como fazer?


Dependendo do valor da desigualdade na projeção final e da presença, ou não, de deformidade na perna, podemos fazer o plano de tratamento. A estratégia deve ser exaustivamente conversada com a família, esclarecendo prós e contras de cada método, objetivos , etapas, resultado funcional final esperado e tempo de tratamento até o seu término.


Quais são as opções?


Não-cirúrgica:

- Compensação no calçado (palmilhas ou elevação no solado do calçado)

– Próteses de extensão:

Usado em grandes encurtamentos, geralmente de causa congênita, onde mesmo os alongamentos ósseos seriam contra-indicado. A decisão quanto ao tratamento com prótese deve ser feito o mais precoce possível na vida do paciente, porque permite uma adaptação mais fácil e um melhor desempenho para a marcha.


Cirúrgicas:

– Inibição do crescimento da perna maior, chamado de Epifisiodese (podendo ser feito no fêmur, tíbia ou nos dois ), em idade apropriada e com calculo preciso, levando sempre em consideração a estatura final da criança, que não deve ser prejudicada com o tratamento.

– Alongamentos ósseos, usado para correção de grandes desigualdades, permite também corrigir deformidades. Feito com aparelho externo – Fixador Externo, são presos ao osso com pinos. Exige compreensão da família, entendimento do manuseio do aparelho, cuidados com a limpeza dos pinos. O tempo de tratamento é longo, algumas vezes necessitando de reinternações para ajustes no aparelho.

– Combinação de métodos: Alongamento ósseo com epifisiodese na perna contra-lateral.


Independente da causa, do valor do encurtamento, da existência, ou não, de deformidade associada, o objetivo do tratamento é fazer com que os pacientes cheguem ao final do crescimento com os membros inferiores bem alinhados e com o comprimento idêntico, ou próximo a isso. Assim garantimos o bom funcionamento articular ao longo da vida, sem dor ou sobrecarga mecânica, além de permitir marcha adequada. Nossa atuação melhora a qualidade de vida dos pacientes.


São considerados bons resultados:

Pacientes que chegam ao final do crescimento com desigualdades menores do que 2cm e com os membros inferiores sem deformidades (retos).


Pais e mães que notarem encurtamento nas pernas de seus filhos procurem logo atendimento para um bom acompanhamento e tratamento visando ao final do crescimento terem seus filhos com os membros inferiores corrigidos. O momento adequado e a indicação precisa do método de tratamento garantem ao jovem paciente um resultado final recompensador.


_____

Dr. Maurício Rangel é formado em Medicina pela Faculdade Souza Marques (1994) e médico Ortopedista Pediátrico. Trabalha atualmente em consultórios com atendimento ambulatorial e cirurgias ortopédicas pediátricas eletivas. Especialista em diversas patologias musculoesqueléticas em crianças e adolescentes e cirurgias relacionadas.

5 visualizações